quarta-feira, 12 de julho de 2017

As mulheres pagãs do rei Salomão





As tristes consequências da poligamia e da idolatria na vida de Salomão.

O harém de Salomão era constituído por muitas mulheres. Eram 700 esposas e 300 concubinas. O coração de Salomão parece ter endurecido para Deus na medida em que crescia o seu envolvimento com estas mulheres (veja 1 Reis 11.9). Alguns casamentos de Salomão eram parte de acordos políticos com países vizinhos, como no caso do seu casamento com a filha de faraó, (veja 1 Reis 3.1), da qual nós já falamos aqui num post anterior, ele construiu um palácio para ela e recebeu a cidade de Gezer como dote da princesa (1Rs 9.16) e, desse modo, garantiu uma relação amigável com o Egito. No entanto, o rei continuou a casar-se com mulheres estrangeiras mesmo não havendo mais necessidades políticas. Essas mulheres eram idólatras, devotas a Astarote, a deusa de fertilidade, cuja adoração incluía a prostituição cultural, e Moloque.

O próprio Salomão escreveu sobre a sabedoria da monogamia (veja Ec 9.9), porém, Salomão acabou por desviar-se dos caminhos de Deus, levando destruição e dispersão do reino quando seu filho Roboão torna-se rei em seu lugar. Além disso, sua família foi corrompida pois seus filhos não foram ensinados a guardar as leis do Senhor.

Fonte: Bíblia de Estudo da Mulher.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Rispa uma testemunha silenciosa

Apesar de  ter pouco ou nenhum controle sobre sua própria vida, Rispa ainda conseguiu manter seu senso de dignidade. ✽ Rispa, concubina d...